O Segredo da Felicidade é a Liberdade, o Segredo da Liberdade é a Coragem. Nilton Bonder

_________________________________________________________________________________________________________________________________

Os humanos diferenciam-se dos animais porque ganharam de presente a inteligência e com isto a capacidade de escolher.
Pois é justamente o que nos dá mais pânico! Escolher e ser responsável por nossas escolhas. Temos um medo atroz do erro, que gera a rejeição e a culpa. Alguém duvida que seja este o motivo de: Igreja, Estado e Mídia terem tanto sucesso?
Se fizéssemos as próprias escolhas, baseados nas próprias necessidades, não haveria tanta tirania e violência no mundo...
Quem acha que a religião é um freio moral para o homem, eu sinto dizer... É exatamente ao contrário! É o freio que gera a violência a qual nasce justamente da ação frustrada.
Rose Villanova
contato: rosevillanova@gmail.com



CLICK TO TRANSLATE

2016 – Um ano de términos. Fim de um ciclo de 36 anos


Segundo a tradição astrológica, cuja origem se perde no tempo, um determinado planeta governa por um período de 36 anos. Isto significa que de 36 em 36 anos vivemos sob a dinâmica de um planeta e suas características irão imprimir seu tom por todo aquele período.

Desde 1981 estamos sob o domínio do Sol, o que significa que o espírito de brilho pessoal, egocentrismo, necessidade de marcar a individualidade no mundo têm permeado nossas consciências. Esse período tem seu término em 2016.

2016 é um ano importantíssimo, pois além de encerrar todo um ciclo planetário, pela numerologia, é um ano nove, número que também indica final de ciclo.

Todos os finais de ciclo veem acompanhados de perdas e renúncias. Nos últimos 36 anos, pudemos ver o individualismo (Sol) crescer a proporções exponenciais. Creio que nunca antes ouvimos tanto a palavra EU. Meus direitos, minhas escolhas, meus desejos, minhas necessidades...eu, eu, eu, meu, meu, meu. Tudo parece que girou em volta do indivíduo, com ou sem razão para tal. As selfies publicadas em redes sociais é o exemplo mais pronto e acabado desse símbolo do egocentrismo que nos tem permeado.

O Sol tem a ver com a criança e, por conseguinte, com a “criança interior” de cada um, que não por acaso tem sido explorada e trabalhada em uma gama de teorias do autoconhecimento. Também, nunca a criança foi tão valorizada quanto nos últimos tempos, tudo é feito por e para as crianças até o limite do mimo exagerado e a incapacidade dos pais de colocarem limites aos filhos. Dormem a hora que querem, e podem quase tudo, interferindo de maneira questionável no mundo dos pais e dos adultos ao redor.

Para que possam entender o que tem acontecido ao zeitgheist dos últimos trinta e seis anos é interessante conhecermos os atributos do Sol, na astrologia.

Qualidades solares: vontade, decisão, propósito, intenção, criação. O modo de exprimir a energia criativa, a identidade própria, necessidade de ser reconhecido, de canalizar a sua vontade e a afirmação do Eu. O impulso de criar, de ser, de poder, de comandar, de ser consciente. É o senso de individualidade, de irradiação, é a nossa intenção.

Expressões negativas das qualidades solares: orgulho, ostentação, dominação, abuso de poder, egotismo, elogio exagerado a si mesmo, exaltação pessoal, esnobismo, presunção, ambição exagerada, prepotência, autoritarismo, orgulho.

 As expressões negativas acontecem sempre que as qualidades intrínsecas do planeta extrapolam os limites. No caso do Sol, podemos dizer que o resumo da expressão negativa solar é o que os gregos chamavam de hübris, que significa; a arrogância perante os deuses.

O Sol é o centro do nosso sistema planetário. Ele dá a vida, mas também queima e cega. Todo excesso é destrutivo. Por estarmos há trinta e seis anos “treinando” nosso Sol pessoal, estamos no auge da necessidade de sermos o centro das atenções. Viramos mesmo, criancinhas muito mimadas e tudo nos ofende e nos convida a lutar por nossos “direitos individuais”. Em 2017 chega Saturno e começa a colocar os limites e veremos um movimento radicalmente oposto às características solares; a dissolução do ego. Entraremos em um período de menos ego e mais responsabilidade. Rigor, severidade, responsabilidade, justeza, dentre outros atributos são de domínio do planeta Saturno, a obrigação de ser feliz, de ser o cara, de se destacar por qualquer coisa estará em baixa para dar lugar a mais seriedade, mais competência, e menos egolatria. Para ganhar fama e destaque muito terá que se trabalhar.
Esse tempo em que vale qualquer coisa desde que se “apareça na fita” dará lugar a mais responsabilidade e rigor nos feitos, mais seriedade e amadurecimento nos atos.

O Deus de amor e bondade, que está sempre pronto para atender o desejo dos seus filhos, dará lugar a um Deus mais exigente, que pedirá de seus filhos não mais orações arrebatadas, mas filhos mais maduros e responsáveis por seu amadurecimento espiritual. Mais trabalho e menos oba oba. O Deus que dá será substituído pelo Deus que cobra. As religiões evangélicas (as que mais vendem esse Deus que serve aos que nele creem) cairão em declínio ou, mudarão o discurso.

2016, como foi dito é um ano chave, no sentido literal da palavra: fecha e abre portas. Tanto por sua característica astrológica quanto numerológica. Será um ano em que as características solares, elencadas acima serão vividas à exaustão – é, além do mais, um ano governado pelo Sol - e, portanto, as características negativas do símbolo estarão mais exacerbadas para então sermos “castigados pelos deuses por nossa hübrys” e então nos recolhermos à nossa insignificância e pararmos com essa banalidade vaidosa e vulgar do culto à persona.
Em 2016 seremos desafiados a nos desapegarmos de tudo aquilo que na verdade não tem consistência para então vivermos o próximo período, sob Saturno. Será um ano muito duro, de muito teste aos governantes vaidosos e centralizadores. Lhes será exigido mais respeito, seriedade, responsabilidade e talvez uma volta ao conservadorismo possa acontecer. Saturno é o velho, a tradição, o passado.
A farra do vale tudo, desde que se tenha 15 minutos de fama, a partir de 2016 vai aos poucos se acabando. A tal arte contemporânea que teve sua máxima representação no círculo de “humanos” metendo o dedo no fiofó do parceiro da frente dará lugar a uma arte mais fina, mais rigorosa, mais séria e competente.

Até para mim, que escrevo esses prognósticos, me custa acreditar que esse comportamento está nos seus estertores. Me custa crer que essa egoidolatria possa se modificar, mas aguardemos... somos muito pequenos para racionalizar os desígnios dos tempos.

Claro que o ciclo solar não teve apenas as características negativas do planeta. Nos desenvolvemos como indivíduos, conquistamos muitas coisas no aspecto pessoal, aprendemos a nos valorizar mais como pessoas, independentemente da cor da pele, da raça, do sexo e do lugar pessoal na escala social. Aprendemos a cuidar mais e melhor de nós mesmos e a nos respeitar mais como indivíduos, a não engolir sapo por lebre, a nos posicionarmos mais pelo que somos e somos capazes de ser e de criar.
Porém estamos prestes a entrar na fase de menos ego e mais rigor.
Para entendermos o ciclo que iniciaremos a partir de 2017, é preciso conhecer as características de Saturno:

Qualidades saturninas: perseverança, paciência, firmeza, constância, resignação, segurança, solidão. O valor mais alto, a função social, o dever. Responsabilidade, reserva, experiência, seriedade, limitação, restrição, parcimônia, abnegação, o esforço contínuo, a construção, o envelhecimento, o esforço disciplinado, a aceitação dos deveres e das responsabilidades, a cristalização, a sabedoria e o respeito.

Expressões Negativas das qualidades saturninas: limitação, severidade, frieza, depressão, dogmatismo. Sombrio, temeroso, avaro, pessimista, cético, melancólico, exigente, indiferente, impotente, reservado, covarde, lento, pesado, restritivo.

O novo ciclo que se inicia a partir de 2017 sem dúvida nenhuma trará mais contenção, mais limitações, menos abundância, menos superficialidade e mais profundidade. Menos exuberância e mais limitações. Porém, para quem viveu à exaustão o ciclo do faço o que quero doa a quem doer, creio que teremos anos de não posso tudo o que quero, pois, minha liberdade termina onde começa a do outro. Isso é Saturno: o limite.

Que ele venha e que seja bem-vindo.

Se quiserem entender um pouco mais desse assunto leiam meu artigo,
PLANETA REGENTE DO ANO
gravuras por Rose Villanova

MAPA ASTROLOGICO DE DON DRAPER, PROTAGONISTA DE MAD MEN

Please click the left button to translate





Protagonista da série Mad Men, que foi ao ar pela primeira vez em 19 de julho de 2007 as 22:00h na TV americana, Don Draper é, sem dúvida, um dos personagens mais fascinantes já criados no mundo do cinema. Hoje passadas 6 temporadas de 13 episódios cada, essa muito bem sucedida série já completou mais de 70 episódios. A sétima e última temporada está sendo ansiosamente aguardada pelos inúmeros fãs de Mad Man.

Don é um publicitário de sucesso. Jovem, bonito, frequenta os mais luxuosos ambientes, veste-se impecavelmente e ostenta um ar de autoconfiança e mistério que o torna irresistível. É casado e tem filhos e, com todos esses predicados, seduz uma infinidade de mulheres ao longo do seriado e com elas mantém breves casos extraconjugais, mesmo amando a esposa.

Don carrega um passado oculto de todos e muito sofrido. Filho de uma prostituta que morreu no parto é encaminhado para o seu pai, casado com uma mulher cujos filhos nasciam mortos. Desta forma, foi criado por essa mulher que não gostava dele, pois sabia a origem daquela criança.

Seu pai, um homem muito rude, alcoólatra, fazendeiro, por sua vez, morreu quando ele tinha 10 anos de idade deixando a mulher e um filho com ela, Adam, meio-irmão de Don. A madrasta após a morte do marido vai morar com a irmã cujo marido geria um bordel em sua própria casa. Assim Don cresceu em meio a muito desamor, rudeza, ambiente promíscuo e muita, muita solidão.

Na verdade Don nasceu Richard Whitman (Dick). Aos 20 e poucos anos, provavelmente já buscando fugir das feridas adquiridas na infância, alistou-se para a guerra da Coréia e lá conheceu o verdadeiro Donald Draper, que em um ataque do inimigo foi mortalmente atingido. Nesse momento Dick aproveitou a oportunidade e trocou de identidade com o soldado falecido. Atitude que podemos entender como um desejo inconsciente de enterrar o passado de dor e rejeição. Recebeu honrarias de herói de guerra e quando voltou para a América, passou a viver sob o novo nome e nova identidade.
Essa parte de sua vida vai sendo revelada ao longo da série, em flashes de lembranças, quando em alguns momentos ele se sente fragilizado e as imagens do passado voltam à sua memória.

Nem mesmo sua primeira mulher sabe do seu passado, que ele esconde a sete chaves de todos os que o cercam. Esse segredo e mais a infância sofrida forjam uma personalidade dura, contida, exigente, defendida, que busca o alívio no álcool, que consome o tempo todo e no sexo que lhe traz alguns momentos de intimidade e envolvimento, embora o filme mostre com muita propriedade e sutileza que muito poucas vezes ele tira a roupa para transar. Transar vestido – geralmente até de gravata – caracteriza a dificuldade de Don de se expor, de se abrir para a intimidade, de se tornar vulnerável na relação. E precisar estar protegido o tempo todo é característica de pessoas excessivamente sensíveis.

Assistindo ao seriado, com grande fascinação pelo protagonista e analisando cada filigrana de seu comportamento: suas falas e silêncios, seu comportamento com os colegas de trabalho, com a esposa, com os filhos, com as amantes, com os grandes empresários que contratavam seu trabalho como publicitário, seu código de ética, as reações aos acontecimentos de sua vida e, astróloga que sou, fui percebendo com clareza alguns símbolos astrológicos no personagem.

É muito impressionante como escritores ao criarem um personagem enveredam pelo campo do simbolismo astrológico e conseguem dar vida a determinados arquétipos de maneira perfeita em suas construções.

Por várias dicas de pensamento e comportamento, fui percebendo que o personagem Don Draper teria Saturno na casa 5. Outras tantas facetas da personalidade mostrava alguém com forte traço do signo de Gêmeos e também um tipo bastante Plutoniano.
Fiquei a imaginar se o escritor além de "acessar" um arquétipo, pronto e acabado, de um determinado signo, teria a capacidade de conceber não apenas um representante deste ou daquele signo, mas um personagem que contivesse em si todo um mapa astrológico de nascimento.

E... logo em seguida a este meu pensamento e para minha grata surpresa, no episódio 1 da 5ª Temporada, que começa no ano de 1966, é revelado o dia de seu aniversário, quando sua esposa o presenteia com uma festa surpresa em comemoração a seu 40º aniversário: 1 de junho. Portanto a data de nascimento dele é 1/6/1926.
Especula-se que essa data não seja a data real do nascimento de Dick/Don, já que ele trocou de identidade e por isso provavelmente também trocaria a data de nascimento. Para tal, alega-se o diálogo que ele tem com a esposa ao final da festa, em que ela diz: - você está nervoso porque fez 40 anos, e ele responde: - tenho 40 anos há meio ano e ela: - quando isso vai parar? Só você sabe disso. Este é o seu aniversário agora. Porém em outro episódio é mostrado que ele tinha uma diferença de uns 8 anos de idade, para menos, do falecido e real Donald Draper.

Como se trata de um personagem e ao longo da série não fica claro quando Dick nasceu de verdade, ou mesmo Don, e considerando que a única data declarada para seu nascimento é a de 1/6/1926 e entendendo que os fatos reais não importam, quando se trata de um trabalho de criação e concepção de um personagem, assumo esta data. E como local de nascimento, o estado de Illinois, onde Dick nasceu; a cidade não é revelada no filme, portanto escolhi a cidade mais central desse estado, Morton. Acredito que esses dados correspondem e dizem respeito ao personagem que o autor, o brilhante Matthew Weiner, "magicamente" concebeu.

Por que me sinto tão segura e à vontade em assumir esses dados para a feitura do mapa de Don Draper? Porque fiquei tão impressionada com a precisão arquetípica do personagem em paralelo ao seu mapa astrológico, que não tive sombra de dúvidas que esse seria o mapa dele e mais maravilhada fiquei com a capacidade do autor de construir um personagem com as singularidades e nuances de personalidade tão precisas e preciosas quando analisado à luz de seu mapa astrológico. É a arte imitando, a vida.


 Para construir o mapa de Don seria preciso, de minha parte, conceder-lhe um signo ascendente. Como já disse, o personagem tem todas as características de quem possui Saturno na casa 5, fato que me chamou a atenção e desencadeou todo o processo de querer descobrir qual seria o mapa de Don Draper.  

Com Saturno em Escorpião, seu signo Ascendente só poderia ser Câncer o que cabe como uma luva para essa personalidade sensível, que se protege o tempo todo com ares de durão, mas que possui um olhar doce e interessado e se sensibiliza com as questões de todos à sua volta. Como um paizão é sempre procurado pelos colegas de trabalho nos momentos de crise. Câncer no Ascendente lhe daria um forte traço de água no mapa todo, assim como Saturno em Escorpião e Marte em Peixes, o que explica sua natureza sensível, envolvida e envolvente, embora dura. Câncer de tão sensível que é está sempre se protegendo. E neste mapa, Plutão está exatamente no ascendente mostrando uma pessoa que nasceu sob a marca de um ferimento profundo e por isso vive a vida como se precisasse controlar tudo e todos à sua volta para se defender de situações em que se encontre vulnerável. É como se a vida o ameaçasse constantemente e, portanto essa pessoa também controla as suas emoções para que ninguém possa saber o que se passa dentro dele e com isso, nunca possa saber seu ponto fraco para, eventualmente, manipulá-lo e torná-lo seu refém.

Outra característica, desta vez em termos de destino dos cancerianos, é que eles vivem sérios problemas familiares e com os filhos, ao longo da vida. Com Plutão no Ascendente, além da rejeição da madrasta desde pequeno e da rudeza e alcoolismo do pai, passou pela experiência da morte da mãe no seu nascimento. Os plutonianos vêm para a vida experimentando a morte. Com Plutão e Câncer no Ascendente fica explicado o seu comportamento diante da vida: sensibilidade versus autodefesa e necessidade de controlar o tempo todo.

O regente de Câncer, a Lua, está em Aquário reforçando o tema da rejeição familiar e como se não bastasse há Urano no MC, mais um ingrediente revelador de que o lar de infância e mais tarde, o lar construído pode causar enorme desconforto. Urano e Aquário são indicadores de rejeição. É um símbolo fortíssimo de inadequação formando o binômio rejeito porque sou rejeitado/ por me sentir rejeitado, rejeito.
A Lua, no mapa de Don ocupa a casa 8 – a casa da morte, das profundas transformações na vida, do sexo e dos comportamentos compulsivos. É exatamente esta Lua que mostra os vícios de Don e também a necessidade de trocar de parceiros, o signo de Aquário tem como característica predominante a originalidade, a novidade, o inusitado e surpreendente, a independência e a liberdade.

A Lua, no mapa astrológico, revela nossa mais profunda necessidade.  A colocação por casa e signo mostra qual a fonte da nossa nutrição (inclusive em termos de alimentos que fazem bem ao bom funcionamento de nosso corpo). Os assuntos com os quais nos envolvemos e dele nos nutrimos para fazer frente aos embates da vida. Daí fica explicado de maneira formidável a necessidade de sexo com parceiros diferentes de Don e também o fato de ele não poder e não conseguir resistir às aventuras fora do casamento. Qualquer pessoa com essa colocação necessariamente precisa de vários parceiros sexuais.

A astrologia é fantástica, pois tira de nós o peso da culpa pelo pecado quando compreendemos nosso mapa astrológico. Uma coisa é o que a cultura e a religião chancelam como correto para um individuo, outra coisa é o que sua alma necessita para se sentir viva. Se todos nós compreendêssemos nossos ditames da alma e os que conosco convivem pudessem nos compreender à partir de nossa essência, muita dor poderia ser evitada. A dor da culpa e da condenação. Talvez nossa pior forma de interagir com a vida, conosco mesmos e com os que estão à nossa volta pois é através da culpa que controlamos e somos controlados.

Betty consegue com maestria explorar a culpa de Don para que ele se sinta devedor o tempo todo.  Dessa forma, ela se exime de qualquer responsabilidade diante do fracasso da relação dos dois. A ânsia de buscar uma pista da infidelidade do marido vai às raias do desrespeito à privacidade do outro. Interessante notar que Betty ao mesmo tempo em que não pode perdoar Don por sua infidelidade, achou normal o caráter de Henry Francis que pouco se importou com o fato de ela ser casada, e mesmo grávida, quando a cortejou. Achou normal Henry chantagear o advogado quando este disse que no caso, não somente Don cometeu adultério, mas também ela. Achou normal chantagear Don quando este disse que queria ficar com os filhos, dizendo que tinha nas mãos o seu passado oculto. Don foi muito preciso quando disse "você é uma vagabunda". Sim, Betty se colocou no papel de vítima, mas encarnou a característica predominante em todas as vítimas: o algoz. A vítima sempre cobra com requintes de crueldade a culpa do outro. Dela se alimenta e justifica todas as suas atitudes por achar que o outro lhe deve.

Não apenas com Betty, mas com quase todos os subordinados do escritório ele é o "bode expiatório" que retém a projeção da sombra de todos, tornando-os aliviados de suas próprias culpas e falta de caráter, ao mesmo tempo em que é procurado quando se sentem frágeis ou inseguros. Na verdade todos o invejam e querem ser como ele, que passa a imagem de uma pessoa segura de si e de seus pensamentos e atitudes.
Don, porém é muito mais frágil do que todos pensam, mas tem uma enorme qualidade, não se queixa de ninguém, nem da vida. Seu poder não é exercido pela autopiedade, ele não considera que os outros sejam culpados por seus problemas, sua maior qualidade é responsabilizar a si próprio por suas próprias mazelas. O outro lado disto é, sem dúvida, a grande dose de autodestrutividade que o acompanha o tempo todo. Tudo, sempre, por causa da culpa.

A culpa é uma presença em todas as pessoas e temos duas formas de lidar com ela: olhando para fora e projetando em outros e tentando destruí-los, ou olhando para dentro e nos destruirmos até que consigamos nos modificar. Ou, o pior, nos sentindo não merecedores do amor dos outros e por isso buscando sempre relações que nos apontem o quanto somos maus.

Ainda falando sobre a Lua do mapa de Don, ela forma uma oposição a Netuno. Esse aspecto demonstra enorme decepção com os vínculos afetivos. Denota pessoas que estão sempre procurando o amigo ideal, o amor ideal, a família ideal, porém sempre se vinculam a pessoas erradas. Entram na relação cheios de fantasia de que encontraram a pessoa ideal, aquela que vai preencher seu enorme vazio relacional para, na sequência, se decepcionarem e sofrerem o sentimento de terem sido enganados e depois abandonados.

No mapa de um homem, a Lua representa as características da mulher que ele escolhe para se casar e também as características da própria mãe. É claro que nem todas as pessoas que têm a Lua na casa 8 em Aquário terão uma mãe prostituta e ausente (no caso ele nem a conheceu)  mas, mais uma vez Weiner captou o simbolismo deste mapa de forma surpreendente.

Quanto à sua esposa, a Betty, é notório o seu escasso amor por Don, tanto que ela não resistiu, e ele sabia, à verdade da sua dupla identidade quando revelada. Nunca foi uma mulher carinhosa e envolvida com ele, tampouco com os filhos. Era uma mulher coquete, muito mais preocupada com sua aparência e com o que a sociedade iria pensar da sua família do que sensível aos sentimentos dos seus familiares e, inclusive da empregada que cuidava de seus filhos (Lua em Aquário) fica muito claro que o que ela buscava no Don era sexo e segurança material (Lua na casa 8)

Don tem em seu mapa Urano e Marte no Meio do Céu. Pessoas com Urano no MC têm como destino se destacar de forma inusitada de seu berço de origem. São aquelas pessoas que vêm de um meio familiar completamente diferente do que escolhem ter como profissão e geralmente alçam altos postos na vida profissional. Costumam ser pessoas que vêm de famílias pobres e desfavorecidas intelectualmente e surpreendentemente se tornam pessoas de posses e de respeito por suas idéias, cultura e capacidade de trabalho.

No mapa de Don, esse Urano está conjunto ao planeta Marte. Essa configuração expressa com clareza espantosa a independência no trabalho e a dificuldade em compartilhar com os demais. São pessoas francamente líderes em tudo o que fazem. São as que tomam iniciativa e, mesmo que não queiram ou não façam nada para isso, são olhadas como referencia por seus pares. São aquelas pessoas que decidem os rumos dos outros. É como se as pessoas que trabalham, ou mesmo convivem, com eles ficassem fragilizadas, sem rumo, até que deles saia a última palavra. É uma via de duas mãos: por um lado quando decidem não querem a interferência de ninguém, por outro, os que estão com ele, esperam sempre que decidam por si. Para depois, claro, reclamarem que o fulano não tem a menor consideração por eles. É bem mais fácil reclamar do que dar a cara a tapa, não é?

Júpiter se localiza na casa 9, a casa da justiça, da filosofia de vida, da expansão dos horizontes. Júpiter é tido como um planeta que muito beneficia o setor onde está. É impressionante o senso de justiça de Don. Mesmo com sua dureza no tratamento com os outros e ainda que engane a todos com sua falsa identidade, em várias circunstâncias mostra um admirável comportamento ético: não passa por cima de ninguém para conquistar o que quer. Não concordou em desfazer o contrato com a Mohawk quando Duck acenou com a possibilidade de trazer a American Air Lines para a agência, embora tenha sido obrigado a fazê-lo. Também não concorda com a proposta de Peter a Joan, de fazer sexo com o executivo da Jaguar para conseguir o contrato. Não se dobra à chantagem do Peter quando este lhe pede uma diretoria em troca do silêncio sobre sua identidade e mais uma infinidade de outras situações em que lhe é solicitada uma atitude justa.

O mesmo Júpiter na casa 9 demonstra seu talento para a propaganda. A casa 9, dentre os significados já expostos e sendo um setor de expansão, representa a propaganda em larga escala, aquilo que hoje chamamos de Marketing. Júpiter é o planeta da boa sorte, o lugar que ocupa em um mapa astrológico mostra o tema de nossa vida pelo qual somos reconhecidos e aplaudidos por exercermos com maestria e talento aquele assunto. Estando Júpiter no signo de Aquário era também de se esperar que Don tenha ideias revolucionárias e independentes e originais.

Don é do signo de Gêmeos e seu Sol está conjunto a Mercúrio (planeta regente de Gêmeos) o que lhe dá um forte traço de genialidade. Mercúrio é o planeta da inteligência e da comunicação. Pessoas do signo de Gêmeos costumam ser brilhantes e comunicativas, ou pelo menos, voltadas para a área de comunicação. São os grandes divulgadores do zodíaco. Possuem raciocínio rápido e escapam com muita facilidade de situações de confronto intelectual.

As pessoas de Gêmeos são inseguras. A mesma característica de mente brilhante, que enxerga os vários lados de uma situação e informação, faz com que eles se questionem à exaustão se escolheram o caminho certo. O leque de possibilidades que abrem á sua frente é tão amplo que, quando tomam uma decisão ficam se perguntando, e se eu tivesse escolhido a outra coisa?
Por esse motivo, suas mentes estão sempre tocando o céu e o inferno o tempo todo. É muita carga mental. A insegurança dos nativos de Gêmeos e a capacidade incrível de raciocínio faz deles pessoas que precisam controlar a tudo e a todos o tempo todo. São muito controladores. Mais um traço que contribui para a personalidade controladora de Don.

Todas as pessoas de Gêmeos, de alguma forma possuem duas identidades. Exemplos: as pessoas têm um nome registrado no documento de nascimento, mas são conhecidas por um apelido que supera o seu nome próprio. A pessoa é registrada com uma data de nascimento, quando na verdade nasceram em outro dia, por escolha dos pais. Meu filho, por exemplo, possui duas carteiras de identidade; quando ele era muito pequeno viajamos para o Chile e tiramos uma carteira de identidade para ele, para que ele pudesse atravessar a fronteira. Com os anos perdemos este documento. Ao completar 18 anos, quando foi pedir a cópia atualizada de seu numero de registro, os órgãos competentes não conseguiram localizar em hipótese alguma seu primeiro documento o que fez com que ele tivesse que tirar um outro. Também uma vida dupla muitas vezes é encontrada em pessoas deste signo.Essa característica cabe, novamente, como uma luva para Don/Dick. Quanto mais analiso este mapa de Don mas fico deslumbrada com a genialidade do autor.

Tanto o Sol, quanto Mercúrio estão localizados na casa 12 deste mapa astrológico. A casa 12 na astrologia é o setor do sofrimento, das provações, dos aprisionamentos, dos segredos, do isolamento, da dor de estar vivendo em um mundo que a eles lhe parece exigir muito mais do que sua capacidade. Pessoas com esta colocação são muito sofridas, pois sentem que não são deste mundo que lhes impõem regras e tratados para que se viva nele. São os maiores artistas do zodíaco. Por não estarem neste mundo buscam através da arte seu maior escape, além de possuírem uma conexão muito forte com o inconsciente coletivo e por isso conseguem trazer ao mundo exatamente o que o inconsciente de uma época tem como necessidade de se identificar. Para a propaganda é mais um traço extremamente favorável, pois a pessoa saberá qual a real necessidade de uma época, trazendo à luz aquilo que a coletividade quer naquele momento para se sentir "mais perto do céu".

A casa 12 é também a casa dos inimigos ocultos, o inimigo mais oculto que temos somos nós próprios daí que fica explicado porque Don encarna o Bode Expiatório. Sendo ele seu mais cruel inimigo atrai para si a inimizade de todos.
Tudo o que se passa no inconsciente nos é revelado pelas circunstâncias e pessoas que nos cercam.

As pessoas de Sol na casa 12 são aquelas que carregam os pecados do mundo.
É também uma casa de mistério e inacessibilidade. Pessoas com esta colocação geralmente vivem vidas paralelas: uma vida que é vista por todos e outra que é totalmente secreta. São, por exemplo, as pessoas capazes de levar dois casamentos ou dois relacionamentos por anos a fio, sem que nunca ninguém descubra. Essa tendência é também fonte de sofrimento e inadequação ao mundo dos "comuns dos mortais".

Finalmente, analiso o Saturno na casa 5 – motivo de todo o meu interesse e de todo o meu trabalho sobre o mapa de Don.

A casa 5 é a casa de tudo o que se cria, desde os filhos que temos até aquilo que criamos com nossos talentos. É a marca que deixamos no mundo, a nossa grife. É a casa das crianças que colocamos no mundo e também significa a criança que fomos. Mostra como foi a educação na nossa infância e como educamos nossos filhos quando os temos e foi aí que comecei a perceber o quanto Don teria essa colocação de Saturno no seu mapa. Saturno é o planeta da frieza, da dureza, da restrição, da contenção e da frustração.

As pessoas com Saturno localizado na casa 5 tiveram infâncias muito tristes. Seus pais eram duros para com elas, exigiam muito além da capacidade que uma criança pode ter. Não a tratavam com a doçura e compreensão que uma criança merece. Mais tarde, a tendência é repetir esse modelo com nossos filhos, de maneira mais atenuada. Pretendemos sempre não repetir os erros cometidos conosco.

Vemos Don tendo muita compreensão para as criancices de seus filhos e até alguma ternura para com eles, porém essa atitude é acompanhada por certa frieza na parte afetiva, ou ainda... Don nunca pode expressar o carinho pelos filhos porque tinha uma Betty sempre a lhe solicitar um lado mais duro para com eles. Betty repete para com os "filhos de Don" o comportamento do pai de Don para com ele enquanto filho.
O destino muitas vezes se cumpre não apenas a partir de nós mesmos, mas também das circunstâncias à nossa volta.

Mas o ápice do significado de um Saturno na casa 5, Weiner coloca em seus mais preciosos detalhes no Episódio 5 da 6 Temporada quando Don, após levar seu filho ao cinema, chega em casa arrebatado por um sentimento que ele disse ter fingido sentir pelos filhos durante toda a vida e que naquele dia ele consegue sentir de verdade e que parecia que seu coração ia explodir. Ele diz também que refletia muito sobre a possibilidade de seu pai sentir o mesmo por ele. Essa fala de Don é fantástica e emblemática no que diz respeito a um Saturno na casa 5 e eu vou levar para o resto da vida esse exemplo.

Também, em várias outras situações Mathew coloca na boca do Don as palavras: "eu não consigo sentir nada". É isso o que acontece com uma pessoa de Saturno na 5. Por não ter podido ser criança, essa pessoa não consegue acessar sua criança interior. Por não poder ter sido espontânea, pois a espontaneidade sempre vinha acompanhada de punição, a pessoa vai desenvolvendo um mecanismo de defesa bloqueando todo o acesso aos seus sentimentos.

A casa 5 também significa as alegrias da nossa vida: os romances, os jogos de sedução, os amores, os amantes. A casa onde temos Saturno representa nossa maior carência. Don "passeia" de romance em romance, de amante em amante, de sedução em sedução sem nunca conseguir preencher esse imenso vazio que traz dentro de si.
O fato de Don odiar festas também é uma característica marcante dessa posição. Para ele, as festas significam uma exposição que ele detesta e isto é reforçado pela posição do Sol na casa 12 que significa que a pessoa não quer exposição nenhuma e se sente muito melhor no bastidor do que na ribalta.
Também onde temos Saturno sentimos que não temos aquele tema em nós e por não tê-lo, passamos a vida a buscar aquilo que mais nos falta, logo, nos tornamos PHD naquele assunto.

Onde temos Saturno no nosso mapa astrológico está a grande missão que estamos "obrigados" a cumprir nesta vida. A casa 5 como eu disse, é a casa da expressão do sujeito e quem tem Saturno na 5 sabe mais do que ninguém o que é ter ausência de expressão e portanto é a pessoa mais capacitada para dar expressão ao outro. Esta é sua missão: dar expressão ao outro e dando expressão ao outro ele estará se expressando. No caso de Don sua função no mundo é dar expressão para o produto criado pelos outros. Novamente, vejo a perfeição na concepção do seu personagem.

Muito mais poderia ser analisado neste mapa, mas ficaria muito extenso e por isso, escolhi os pontos mais relevantes, o que não quer dizer que uma análise mais extensa não comprovaria com toda a propriedade cada faceta deste personagem.

Chego a pensar que Mathew Weiner é um grande astrólogo e primeiro criou o mapa de seu personagem para depois criá-lo. Será que foi assim?
De qualquer forma, sem dúvida Mathew é um gênio e seu personagem um dos mais fascinantes que já pude conhecer. E  Don não poderia ser melhor representado do que pelo ator Jon Hamm. Impossível imaginar um Don tão perfeito encarnado por qualquer outro autor. Portanto, palmas também para a genialidade de Jon.

SERÃO MESMO OS HOMENS DE MARTE E AS MULHERES DE VÊNUS?

Há algum tempo, um livro com o nome “Homens são de Marte, Mulheres são de Vênus” virou Best Seller. Pelo titulo parecia ter alusão à astrologia mas não, trata-se de um livro de auto ajuda onde o autor (John Gray), traça um perfil psicológico de homens e mulheres, com o intuito de ajudar a convivência entre os sexos, o que sabemos não ser lá muito fácil.

Porque será então que ele relacionou Homens a Marte e Mulheres a Vênus? De certa forma tem muito sentido se examinarmos esses dois planetas à luz da Astrologia, onde Marte é considerado um planeta masculino e Vênus feminino. Porém, a interpretação desses dois planetas no mapa astral, não significa exatamente homem e mulher, mas o lado masculino e feminino que todos temos e que trabalham juntos em nossa psique, a fim de que exerçamos a assertividade (Marte) e a afetividade (Vênus) na nossa vida.

Marte, no mapa astral, mostra a capacidade de ação. Mais precisamente como nos afirmamos no mundo, de que modo abrimos caminhos. Representa a força de vontade para vencer os obstáculos e atuar no mundo. Marte é a força de luta pela sobrevivência. A localização de Marte em determinado signo num mapa individual, nos diz o quanto e como dispomos de energia para lutar pela vida e conquistar nosso lugar ao Sol. Se a pessoa possui um Marte, como dizemos, bem posicionado, será combativa, corajosa, ardente e terá uma agressividade bastante adequada, de maneira que terá, na maioria das vezes, a atitude certa, na hora certa e dispenderá a quantidade necessária de energia para conseguir o que deseja. Por outro lado, quando o Marte do sujeito está posicionado de maneira mais, digamos, conflituada, teremos uma pessoa exageradamente agressiva, gastando mais energia do que o necessário e de forma inadequada para conquistar seus objetivos, ou ainda poderá ser alguém que enxerga a luta pelas coisas da vida como algo muito superior às suas forças, desistindo de lutar, mesmo antes de começar. Portanto, a posição do Marte de cada um, no mapa astral, mostra a capacidade de ser ou não um bom guerreiro diante da batalha que é a vida.

Já Vênus, diz respeito à capacidade de nos relacionarmos; tanto com as pessoas, quanto com o mundo à nossa volta, portanto significa o quanto e o como somos capazes de fazer amigos, estabelecer relações amorosas, de agregar pessoas e coisas e de produzir harmonia. Vênus representa o prazer, as coisas belas da vida, a ética nas relações e a estética das formas, sons e cores, daí significar as artes em geral e a expressão e estilo artístico de cada um. É também o gosto; tanto o gosto como paladar, quanto o gosto pelo belo, peculiar a cada pessoa. Uma Vênus bem posicionada no mapa astral, mostra uma pessoa encantadora, cordial, ponderada, uma pessoa com estilo próprio, ética e justa. Alguém com excelente capacidade de avaliação. 
Se, ao contrário, Vênus estiver em estado astrológico “aflito” teremos alguém com dificuldade nas relações, alguém do tipo intransigente, incapaz de ver o lado do outro, sem bom senso estético e também ético e pouco talento artístico. Pode ser também uma pessoa bastante fútil, sem medidas adequadas para comprar, gastar, comer, divertir-se e de gosto duvidoso.

Vênus e Marte não são apenas diametralmente opostos – enquanto um é totalmente individual (Marte) o outro é completamente relacional (Vênus) – mas cada um trás em si a força do masculino e do feminino de cada sujeito.


Bem, mas e quanto às relações homem e mulher? No que a astrologia poderia ajudar as pessoas a se entenderem melhor?  Se pudermos compreender que independentemente do nosso sexo, temos o masculino e o feminino igualmente disponíveis e atuando dentro de nós e pudermos nos libertar das expectativas pessoais e sociais quanto ao papel que temos que desempenhar por ser Homem ou Mulher, certamente deixaremos de buscar no outro a “outra metade” aquele a quem cabe a “honra” de preencher nosso “grande buraco”.  Bem, imagine uma relação onde cada um é Inteiro e ninguém deve nada a ninguém... 

SIGNO ASCENDENTE - O QUE É ISSO?



O Signo Ascendente é exatamente isso que o nome diz: - é o signo que está ascendendo no horizonte Leste (onde nasce o Sol) no momento de um nascimento, e tem fundamental importância na interpretação do mapa astral.Para se ter uma idéia, a cada 4 minutos de tempo teremos um novo grau no Zodíaco. Por isso é tão importante que o horário de nascimento, seja o mais preciso possível, imagine que em 4 minutos de diferença é possível até que haja uma mudança de signo.Existe uma técnica para o astrólogo “descobrir” o horário exato do nascimento do cliente, que se chama Retificação do Horário de Nascimento e isso é feito à partir de fatos importantes da vida da pessoa com suas respectivas datas. O astrólogo vai cruzar aquelas datas com o horário que o cliente lhe fornecer e com isto chegar o mais próximo possível da hora exata daquele nascimento. É muito comum que tenhamos, na certidão, a hora aproximada; a pessoa pode, por exemplo, ter nascido às 16:25 e na certidão, ou na carteirinha da maternidade, estar registrada a hora de 16:30. Isto é mais do que comum, daí a importância da retificação da hora.
O Signo Ascendente, nos mostra a Personalidade da pessoa; mas o que exatamente é a personalidade? Persona é um termo latino que quer dizer pessoa, portanto é o modo como somos reconhecidos pelos outros, é a impressão que causamos em alguém ou num ambiente quando chegamos. O Signo Ascendente mostra ainda como abrimos nossos caminhos na vida e tem muito a ver com nossa saúde e os cuidados com ela.Existe uma lenda, que diz que depois dos 30 anos, nós “somos mais” ou nos parecemos mais, ou nos identificamos mais com o signo do nosso Ascendente. Isso é apenas uma lenda, que não se confirma na prática. O que pode ser verdade é que com o passar dos anos nós nos conhecemos mais e com isso nos assumimos mais e daí, não só o ascendente mais nosso mapa astral inteiro, faz mais sentido para nós.As pessoas com Ascendente em Signos de Fogo: Áries, Leão e Sagitário são diretas, objetivas, e abrem seus caminhos com assertividade. A prática de esportes competitivos é bastante recomendada para essas pessoas que têm muita energia e às vezes são agressivas além da conta.Os que têm ascendente nos Signos de Terra: Touro, Virgem e Capricórnio, são bastante prudentes e precisam sentir que estão pisando em terra firme e sólida. As práticas corporais como Bio Energética, Dança, Yoga, e Musculação são bastante benéficas para que essas pessoas “se soltem” mais.Os de Ascendente em Signos de Ar: Gêmeos, Libra e Aquário, são bastante comunicativos e têm grande facilidade em estabelecer contatos. Os exercícios físicos de forma geral são muito benéficos para eles que têm grande energia e precisam descarregá-la para não se tornarem muito impacientes ou serem muito faladores.Os de Ascendente em signos de Água: Câncer, Escorpião e Peixes, por serem muito sensíveis emocionalmente, são muito vulneráveis e portanto bastante defensivos, podendo muitas vezes parecer antipáticos. As lutas marciais são de brande benefício para essas pessoas, que sentirão mais força interior e auto-confiança para agir.

Ilustração Rose Villanova

PLANETA REGENTE DO ANO

Como saber qual é o Planeta Regente do Ano?

Segundo a tradição astrológica, cuja origem se perde no tempo, um determinado planeta governa por um ciclo 36 anos. Isto significa que de 36 em 36 anos vivemos sob a dinâmica de um planeta e suas características irão imprimir o tom de todo aquele período.
Desde 1981 estamos sob o domínio do Sol, o que significa que o espírito de brilho pessoal, egocentrismo, necessidade de marcar sua individualidade no mundo, têm permeado nossas consciências. Este período irá até 2016.
Em 2017, segundo a sequência dos governantes do ciclo*, estaremos sob a égide de Saturno, quer dizer que iremos “abaixar bem a bola” e um espírito de austeridade, economia e restrição irá nos guiar. Iremos então pagar a conta de todo o nosso orgulho e prepotência. A “importância pessoal” vai cair em desuso e poderemos perceber quais são nossos limites de simples mortais.


Durante este período de 36 anos, cada ano será regido por um planeta – o que chamamos de Planeta Regente do Ano – e este imprime um tom particular para cada ano.
Para determinar o Planeta Regente do Ano, o método é o que se segue: O ano que inicia o ciclo será sempre regido pelo planeta que governa o ciclo e os subsequentes obedecem à seguinte ordem: Sol, Vênus, Mercúrio, Lua, Saturno, Júpiter e Marte. Exemplo: o ano que iniciou o ciclo do Sol em 1981 foi regido pelo Sol e na sequência: 1982/Vênus, 1983/Mercúrio, 1984/Lua, 1985/Saturno, 1986/Júpiter, 1987/Marte e 1988 novamente o Sol e reinicia-se a sequência.

*Sequência dos planetas regentes do ciclos: Saturno, Vênus, Júpiter, Mercúrio, Marte, Lua, Sol e volta para Saturno...



                                      Tabela dos ciclos e anos astrológicos

Para saber mais sobre o que nos reserva 2016 leia neste blog meu artigo: 2016 - UM ANO DE TÉRMINOS

Perto do mundo, longe de si


Rubem Alves escreveu uma crônica inspiradíssima sobre esta obra de Vermeer. Ele diz que o mapa na parede, foi deixado por seu marido marinheiro, para que ela ao receber uma carta sua, pudesse localizá-lo naquele mapa. Ele, ao escrever, sabia exatamente onde encontrá-la em seu pensamento, porém ela ao receber sua carta deveria localizar no mapa o lugar de onde ele escrevia e assim poderia percorrer com seus dedos aquele mapa, como se acariciasse seu corpo e senti-lo mais próximo de si.
Pensando em como agora tudo está tão modificado, fiquei a imaginar uma esposa grávida, nos dias de hoje com seu marido distante e toda a tecnologia disponível para a comunicação.
Embora hoje, as distancias percorridas sejam tão maiores do que naqueles idos de 1664, estamos muito mais próximos dos que viajam. Só não temos seus corpos para acariciar mas sabemos exatamente onde estão e o que querem nos dizer de si, de seus pensamentos e emoções. Isto é melhor ou pior? Estamos mais felizes? Mais sensíveis? Amamos mais e melhor? Creio que esta seja a grande questão de nosso tempo.
Vivemos num mundo pequeno, não há fronteiras nem limites de acesso, porém ele está, o mundo, de ponta cabeça! Os valores são tão diversos que ficamos perdidos num emaranhado de possibilidades, angustiados com tanto poder, um poder sem limites que fere as relações. Tudo podemos, nada queremos. Ficamos em um experimentar sem fim e ao final um tremendo vazio de insatisfação.
Hoje com o mundo a nossos pés, conversas on-line com qualquer parte do mundo, não estamos livres da dor da incompletude. Por isso pintei este quadro, o ontem e o hoje: Ontem com todas as dificuldades de comunicação e a solidão da distancia, o hoje com todas as facilidades de comunicação e o vazio da solidão de nós mesmos.
Rubem Alves fala muito sobre os mapas; fala do mapa do mundo, do mapa do céu e do mapa de nós mesmos, diz ele: “Feliz a nossa linguagem em que a palavra carta tem duplo sentido. Enquanto não chegasse a carta ela poderia se consolar com a carta. Quando a separação acontece , os espaços entre os amantes se tornam mapas. O pintor Wesley Duke Lee, faz alguns anos, fez um trabalho a que deu o nome de Cartografia Anímica: a alma é um mapa. Gostei da idéia. E imaginei que os primeiros mapas devem ter sido instrumentos de amor: sinais numa casca de árvore indicando o lugar do encontro. Até hoje é assim: só que usamos endereços e números de telefone no lugar de sinais numa casca de árvore. Os mapas na sua condição mais profunda, são os desenhos que fazemos sobre o espaço vazio para tornar a separação menos dolorosa. Quando minha mãe morreu, meu irmão me contou que ele lidava com a sua ausência imaginando-a caminhando pelos espaços siderais. As pessoas têm estrelas que não são as mesmas. Para alguns, as estrelas são guias. Para outros, elas não passam de pequenas luzes. Para os sábios, elas são problemas a serem resolvidos.”


Este texto que Rubem Alves escreveu em 1995, me inspirou a fazer a minha “Mulher lendo”. Uma mulher, nos dias de hoje com a tecnologia a seu dispor e, astróloga que sou, me foi impossível não lembrar de que o instrumento do astrólogo para conhecer o território anímico (como pintou W. Duke Lee) chama-se também mapa, ou carta.
O mapa ou carta do céu - o mapa astral - mostra os signos e planetas que funcionam dentro de nós, é o instrumento de re-conhecimento da nossa alma, esta coisa tão esquecida e perdida no emaranhado da vida moderna, que nos leva por mundos tão desconhecidos e longínquos.
Esta mulher, cujo coração bate como todos os corações femininos, ao receber noticias do amado distante, está hoje diante de seu notebook, com o mundo ‘de ponta cabeça’, diante do e-mail do seu amado. Hoje, esta mulher está mais próxima do seu homem viajante de mundos mais distantes, porém está distante do seu próprio mundo.
Pela Internet ou no lombo de um burro, difícil chegar ao nosso destino sem sabermos qual o caminho que nos leva ao belo mundo de nós mesmos. Tudo mudou, porém a alma de cada um continua a buscar seu destino, motivo da viajem que começou, quanto neste mundo chegou.
É preciso olhar as estrelas...

Ilustrações:
Mulher lendo uma carta - Vermeer

Mulher lendo - Rose Villanova

Saturno e a Idade de Ouro

Outro dia li um artigo que dizia que com a idade a memória se torna menos eficiente, porém as pessoas tornam-se mais inteligentes. Porque mais inteligentes? Porque são mais felizes.

Hoje, aos 60 anos eu concordo plenamente com isso, se bem que a minha teoria para a perda da memória é que, não é que a memória fique deficiente, é a quantidade de informação que aumenta a cada dia e... Haja memória para selecionar tantos bits.

Quando somos jovens, acessamos com muito mais rapidez as informações porque afinal, ainda vivemos pouco e temos pouca informação, ou melhor, temos informação suficiente para que o acesso se faça de modo mais rápido, na medida em que vivemos vamos sobrecarregando nossa memória e o acesso se torna mais lento, igualzinho a um computador.

Mas voltando à questão da felicidade e o envelhecimento. Com a idade, vemos que alguns sonhos foram realizados outros frustrados. Fora a as surpresas que a vida trás e embora sem preparo, topamos a parada, encaramos os desafios e superamos as dores e frustrações e ao final percebemos que nos tornamos muito melhores do que pensávamos que éramos.

Na mitologia, Saturno (o Cronos grego), após ter sido destronado e aprisionado em uma prisão subterrânea por seu filho Júpiter (o Zeus grego), recompôs-se com o pai e o enviou para a Ilha dos Bem Aventurados onde Saturno então governou instaurando a Idade do Ouro.

Saturno na astrologia significa a velhice e o envelhecimento, entre outras coisas. Saturno é chamado “Senhor do Tempo” e também o “Ceifador Implacável”. De fato quando temos mais idade vamos ceifando um monte de coisas da nossa vida, pra falar a verdade um bando de coisas que vamos vendo que são supérfluas e que só servem para alimentar nosso ego.

Quando jovens, nos apegamos a tantas coisas tolas para compensar a insegurança pessoal! Coisas para garantir uma imagem que queremos que os outros tenham de nós e só servem, no fundo, para a afirmação do nosso ego. Queremos ser reconhecidos, queremos ser importantes, queremos ser admirados e até mesmo invejados algumas vezes. Compensamos a insegurança pelo papel que desempenhamos e quando somos elogiados sentimos “o quão bons” somos.

A idade acaba com isso tudo, ao invés de querermos agradar aos outros, vamos genuinamente agradando cada vez mais a nós mesmo, a despeito do que pensem os outros e isso é maravilhoso!


Outra coisa maravilhosa que trazem os anos a mais é a estabilidade material e pessoal, quando jovens estamos todo o tempo agitados porque temos que trabalhar para ganhar a vida, criar os filhos, comprar a casa, o carro, viajar de férias, enfim... uma canseira.

Já passados os anos, temos tudo isso, estamos mais tranqüilos e o que é melhor, o que conseguimos, conseguimos, o que queríamos ter conseguido e não foi possível já não tem tanta importância, pelo fato de que estamos mais bem aparelhados emocionalmente para lidar com as frustrações.

É claro que toda essa maravilha é algo que precisa ser construído (construção é outra significado de Saturno) e é aí que entra a sabedoria de Saturno. O ceifador da beleza e juventude nos oferece a oportunidade de irmos cada vez mais em direção a nós mesmos. Não é fácil, mas é muito compensador.

Saturno rege Capricórnio e Aquário. O Saturno de Capricórnio quer que cumpramos nosso destino, desempenhemos nosso papel no mundo através do exercício da nossa vocação. Tarefa cumprida “entramos” no Saturno de Aquário que é o Saturno da libertação.

Nos tempos atuais do culto ao corpo e à juventude eterna, a tentação, quando envelhecemos, é de nos agarrarmos à juventude e ficar investindo tempo e dinheiro para conservar um corpo e padrão estético que já não nos pertencem. Mas não é por aí.

Já investimos na aparência, e os mais sensíveis e inteligentes já sacaram que isso não traz nem a paz, nem a alegria interior. A Idade de Ouro de Saturno acontece quando, a beleza que queríamos que os de fora reconhecessem, está agora bem dentro de nós, queiram ver ou não, pouco importa estamos muito mais confortáveis e tranqüilos e esta alegria não tem preço!

O Ouro de Saturno não brilha fora... Brilha dentro.

Ilustração 1: O beijo de Saturno
Autor: Rose Villanova
óleo sobre casca de melaleuca, sobre mdf

Ilustração 2: Saturnos
Autor: Cláudia Póvoas Smith
Granimator

Júpiter e Saturno - As aparências enganam

Quem conhece um pouco sobre o significado dos planetas na Astrologia, costuma reverenciar Júpiter como um planeta que trás prosperidade, abundancia, alegrias, sucesso, enfim as coisas boas da vida. Já Saturno é conhecido como aquele que trás a dor, a frustração, os impedimentos, a escassez, tudo o que a gente não gosta e não quer.
Isto é uma verdade, porém é preciso lembrar que nada sob o céu tem apenas um lado só. Já dizia vovó, “nem tudo que reluz é ouro” e Júpiter, chamado pelos astrólogos antigos de “O Grande Benéfico” tem seu lado bastante negativo, assim como Saturno “O Grande Maléfico” tem um lado extremamente positivo, porém muito pouco valorizado pela nossa moderna cultura.
Júpiter tem a ver com a expansão, com a ausência de frustrações e de limites, exatamente o que o mundo capitalista, sempre ávido pelo lucro, nos propõe quando “promete” a realização plena se adquirirmos, por exemplo, o carro do ano, ou a casa dos sonhos, ou qualquer outro produto que se mostra como “exatamente aquilo que estava faltando para nos realizarmos plenamente”. O nosso mundo contemporâneo é totalmente jupteriano, tanto nos excessos de ofertas e oportunidades, quanto na ilusão de que poderemos ser plenamente realizados se fizermos isso ou aquilo ou se comprarmos isso ou aquilo. O excesso – produto da ausência de limites – nos trás não a felicidade plena mas seu contrário, a insatisfação. Dada a quantidade de opções, quando escolhemos uma coisa, deixamos de lado mil outras que também nos prometem a felicidade, daí que ao adquirirmos algo, já estamos insatisfeitos pois tivemos que abandonar outras tantas possibilidades de “felicidade”.
Outra coisa que ocorre com Júpiter e sua promessa de satisfação plena é a desmedida possibilidade de adquirirmos tudo o que possa trazer mais plenitude, nos torna ávidos por dinheiro, fazendo com que cada vez mais pessoas coloquem a necessidade do ganho material, acima de valores importantíssimos para qualquer convivência digna de seres humanos, que são a ética, a lealdade, o respeito pela própria palavra e acima de tudo, por si próprio.
Na atual conjuntura, costumo dizer, está faltando Saturno! Sim, Saturno com toda a sua carga de responsabilidade, seriedade, morosidade, contenção e por significar os limites – veja que Saturno é o único planeta que contém anéis, mostrando que tudo sob o céu tem seus limites – nos ensina o respeito pelo próximo, nos ensina a amadurecer com as dificuldades e com a escassez de recursos. Saturno, com todo o seu comedimento e frugalidade nos torna muito mais conscientes dos próprios limites mostrando claramente que não é o consumo desenfreado e desmedido que nos torna mais felizes, mas sim o cultivo dos valores sólidos e verdadeiros. É essa a grande riqueza e fonte de verdadeira plenitude que Saturno promete. Porém, ao contrário de Júpiter que tem a qualidade de satisfazer a curto prazo nossos desejos, muitas vezes de forma inconsistente; justamente por ser imediata, Saturno, o “Senhor do Tempo”, pode a princípio parecer lento demais na concessão de suas regalias , mas a longo prazo veremos que os ganhos obtidos dos valores como paciência, perseverança e humildade são, estes sim, os maiores bens que podemos receber. De nada vale a riqueza e a ostentação, se a riqueza interior não estiver em primeiro lugar.

Ilustração: Rose Villanova "Teia entre flores" óleo sobre casca de Melaleuca sobre tela

ASTROLOGIA: O que é? Para que serve? Como funciona?

Todos nós sabemos qual o nosso signo e, em geral, o signo das pessoas com quem convivemos, mas quantos de nós sabemos o que é astrologia? A gente lê nas revistas as características do nosso signo e muitas vezes acha que “bate” com a gente, às vezes nem tanto... Quando “bate” a gente diz que “acredita em astrologia”; quando não, surgem as dúvidas e estas levam a dois caminhos: 1. ...”eu não acredito em astrologia” ou 2. ...”que negócio é esse que não funciona mas que todo mundo se interessa?”
Existem muitos conceitos equivocados sobre o que vem a ser a Astrologia.
O senso comum entende que a Astrologia é um estudo da "influência" dos astros na vida dos seres humanos. É comum ouvir pessoas dizerem: "claro que acredito em astrologia, pois se a Lua tem influência sobre as marés e os líquidos do corpo, os outros planetas também devem ter influência sobre as pessoas". De fato, a Lua tem uma influência física sobre a vida na terra, assim como o Sol, tem influência direta sobre a vida animal e vegetal da terra.
Para começo de conversa, Sol e Lua não são planetas. O Sol é o centro do nosso sistema planetário e a Lua, um satélite da Terra e influenciam diretamente sobre a vida deste planeta, ok. Outra coisa é querer forçar a barra e achar que os outros planetas têm algum tipo de influência magnética ou energética sobre a vida na Terra. Talvez até tenham, mas esta questão não tem o menor interesse para nós, astrólogos. A Astrologia consiste, simplesmente, num estudo comparado do movimento planetário em relação aos eventos terrestres.
O giro dos planetas ao redor do Sol obedece a uma harmonia que nos dá a referência dos ciclos da nossa vida. Assim como o dia e a noite, as estações do ano, os meses e o ano, produzidos pelo movimento aparente do Sol em volta da Terra e as fases da Lua nos orienta sobre os quatro ciclos do mês, todos os outros planetas neste mesmo movimento nos mostram a qualidade daquele momento e seu desdobramento.
Para entender um pouco como a Astrologia funciona, precisamos saber o que é o Zodíaco. O Zodíaco é um círculo imaginário que circunda a terra. É dividido em 12 partes iguais de 30 graus cada uma onde cada parte é ocupada por um signo. Ele é usado pelos astrônomos e astrólogos, para podermos determinar a localização dos planetas e constelações no céu. O ponto onde este círculo começa é o ponto zero de Áries e acontece quando o Sol cruza este grau no início do outono (equinócio) mais ou menos no dia 20 de março. A partir daí, a cada 30 dias o Sol muda de signo. É por isso que dizemos, meu signo é de Áries, Touro, etc. É que o Sol está naquele signo no momento do nosso nascimento. Assim como o Sol, a Lua e cada planeta no céu está posicionado num determinado lugar do zodíaco naquele momento.
É isso que se chama Mapa Astrológico: o posicionamento dos planetas no momento de um nascimento. Esse Mapa, mostra a qualidade daquele momento e como ele se desenrola ao longo da vida. Esse estudo nos mostra então as características da pessoa e a qualidade dos momentos futuros daquela vida. Recapitulando; o Mapa Astrológico (Mapa Astral) é a representação do céu com todos os astros e planetas no momento do nosso nascimento.
É por isso que muitas vezes achamos que o nosso signo não “bate” muito com o que lemos sobre ele, pois estamos lendo apenas o signo que o Sol ocupava no momento do nosso nascimento e nós não somos um signo, somos um mapa. Seria impossível que houvesse apenas 12 tipos de pessoas no mundo, pelo contrário, não há mapa que se repita no céu, como não há pessoa que “se repita” na terra.
Uma leitura do nosso mapa astrológico, vai nos informar sobre nossas características, forças e fraquezas; qualidades e desafios; facilidades e dificuldades; fala sobre nossos gostos, nossa vocação, nossos desejos, nossa garra ou ao contrário, nossa acomodação. Fala também sobre nossos pontos fracos de saúde, bem como o melhor tratamento indicado, que tipos de pessoas buscamos para nos relacionar e porque e também qual o nosso papel no mundo.
Espero que com essa rápida passeada por este tema que, afinal, o homem está debruçado há 6 mil anos, eu tenha conseguido responder a algumas das suas dúvidas